Conteúdo

07/05/2020

O primeiro e grande êxito de cada um é o nascimento. Independente da forma, o nascimento é um êxito. Este êxito é a constatação da própria existência.

Sim, existimos!!! No entanto, como existimos? Somos fruto de uma cultura familiar, de padrões do masculino e feminino, de religião, da cultura local, de um Sistema Coletivo, seja familiar ou social, que de alguma forma determina o que é certo e errado, do que é esperado e do que não é esperado, um mundo de dualidades.

Somos seres gregários, o que nos leva a coexistir com o meio que estamos inseridos. E o que fazemos para sentirmos aceitos e aprovados?

Vivemos essa dualidade: Existir e Coexistir

Existir é colocar todo o seu Ser Potencial a serviço de si mesmo. Quais são as suas potencias? Como as aplica em sua vida? E como seu Ser Potencial coexiste nos diversos ambientes que vive, familiar, afetivo, social e profissional?

Sim, temos muitas dúvidas: Será que posso? Como faria? Como Eu seria? Como minha vida seria?

Somos destinados a sermos livr...

17/03/2020

O Constelador e coach Bob Clemps falou a Rádio Palermo sobre constelação sistêmica e o quanto o coaching auxilia as pessoas que estão em busca de um sentido para a vida.

Também falou sobre sua carreira e os cursos de constelação que vem organizando e o quanto esta ferramenta bem trabalhada pode ajudar na carreira e na vida pessoal.

https://www.mixcloud.com/palestrante-claudio-palermo/bob-clemps/

05/03/2020

Fui convidado pela querida Maria Angélica Carneiro a escrever sobre História de Vida e as Constelações Sistêmicas. Adorei participar!!!
Vale a pena assinar a revista para lerem os demais artigos e edições.

Leia a matéria

27/08/2019

Que alegria ter recebido o convite do meu amigo Genésio para o programa dele Visão Sistêmica.  Foram muitas trocas de experiências que nos enriquece como profissionais.

Que você possa desfrutar deste bate papo como nós desfrutamos durante a gravação.

Se gostou ou queira tirar alguma dúvida é só enviar e-mail para dialogossistemicoscontato@gmail.com 

13/08/2019

É sagrado. Semanalmente; no mínimo, de 15 em 15 dias, os gestores da fintech Creditas se reúnem com cada um de seus colaboradores. Um a um. Os encontros duram 30, 40 minutos e ninguém está interessado em meta a ser batida, Ebitda ou otimização da performance profissional. Nada disso. O assunto? Vida pessoal. Sim, o líder é todo ouvidos para as alegrias e tristezas, expectativas e frustrações de seus subordinados além escritório. Instituído em 2016, sob o comando de Giulia Silveira, coordenadora de cultura e desenvolvimento, o programa batizado de one a one serve de paradigma para uma revolução na liderança corporativa. As emoções são (muito) bem-vindas ao mundo do trabalho. Agora pode... Pode chorar, rir, esbravejar... E, acredite, os negócios têm muito a ganhar quando seus funcionários estão livres para ser quem são.

Uma das startups mais badaladas do mercado financeiro no Brasil, a Creditas trabalha o pilar da autenticidade desde sua fundação, em 2012. A orientação é do espanhol...

Quantas vezes você já contou sua história? Provavelmente muitas vezes e também sobre a mesma perspectiva. Após assistir o vídeo te convido a contar sua história com outra perspectiva, pode ser na 3a. pessoa, somente fatos que te trouxeram alegria, felicidade e reconhecimento ou até mesmo pelos sonhos que idealizava, enfim, sobre outra ótica. Você irá se surpreender com sua história.

Seja um(a) contador(a) de histórias com várias perspectivas.

Estarei aqui para te ouvir.

25/06/2019

Algumas pessoas correm atrás da felicidade porque pensam que precisam agarrá-las. Então usam viseiras e correm...e correm. Mas a felicidade corre atrás delas e não pode alcança-las, porque elas estão atrás da felicidade.

Largue a felicidade. E quando ela vier e bater à sua porta, abra somente a porta. Você pode também deixar a porta aberta. Aí a felicidade pode ir e vir como quiser talvez se sinta à vontade com você.

Quando alguém faz um bom trabalho, quando consegue fazer algo bom e o que faz também tem efeito, fica feliz. Essa felicidade é sentida como realização. É independente da chamada sensação de felicidade. Tem algo de essencial, algo pleno. Faz a pessoa feliz, mesmo que se encontre numa situação terrível e não esteja feliz nela.

Também existe a sensação de alegria. Isso também é felicidade. Posso ter isso junto com outras pessoas, mas também independente delas. Essa sensação de alegria aparece quando tomei meus pais e eles podem estar vivos dentro de mim como um todo, do jeito qu...

18/06/2019

Como é difícil balancearmos com equilíbrio nossas prioridades, dando a devida atenção tanto ao que precisamos obter quanto ao que precisamos manter junto de nós. Embora a vida nos obrigue a despendermos a maior parte de nosso tempo trabalhando para conquistar qualidade e conforto, essa rotina pesada ao mesmo tempo nos distancia mais e mais dos contatos e interações com as pessoas.

Nessa toada, acabamos muitas vezes nos apegando demasiadamente aos bens que acumulamos, valorizando a materialidade que nos rodeia acima de qualquer coisa. E assim relegamos ao segundo plano nossas necessidades afetivas, nossos desejos sentimentais, tudo aquilo que não possui preço, o que não se compra nem se vende, apenas se vive.

Por mais que sejamos alertados para o perigo que reside nessa busca maçante pelos bens, pela riqueza, pelo status social, acabamos sendo atraídos quase que mecanicamente pelos apelos disso tudo. Vamos nos enchendo de objetos e nos esvaziando de sustância emocional, pois acabamos apen...

11/06/2019

O mestre Rubem Alves, em seu livro “O Amor Que Ascende a Lua”, diz: “O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila. Em silêncio. Sem dar conselhos. Sem que digam: ‘Se eu fosse você…’ A gente ama não é a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta. É na escuta que o amor começa. E é na não-escuta que ele termina.

Não aprendi isso nos livros. Aprendi prestando atenção. Todos reunidos alegremente no restaurante: pai, mãe, filhos, falatório alegre. Na cabeceira, a avó, com sua cabeça branca. Silenciosa. Como se não existisse. Não é por não ter o que dizer que não falava. Não falava por não ter quem quisesse ouvir. O silêncio dos velhos. No tempo de Freud as pessoas procuravam os terapeutas para se curarem da dor das repressões sexuais. Aprendi que hoje as pessoas procuram os terapeutas por causa da dor de não haver quem as escute. Não pedem para ser curadas de alguma doença. Pe...

O sociólogo polonês Zygmunt Bauman declara que vivemos em um tempo que escorre pelas mãos, um tempo líquido em que nada é para persistir. Não há nada tão intenso que consiga permanecer e se tornar verdadeiramente necessário. Tudo é transitório. Não há a observação pausada daquilo que experimentamos, é preciso fotografar, filmar, comentar, curtir, mostrar, comprar e comparar.

O desejo habita a ansiedade e se perde no consumismo imediato. A sociedade está marcada pela ansiedade, reina uma inabilidade de experimentar profundamente o que nos chega, o que importa é poder descrever aos demais o que se está fazendo.

Em tempos de Facebook e Twitter não há desagrados, se não gosto de uma declaração ou um pensamento, deleto, desconecto, bloqueio. Perde-se a profundidade das relações; perde-se a conversa que possibilita a harmonia e também o destoar. Nas relações virtuais não existem discussões que terminem em abraços vivos, as discussões são mudas, distantes. As relações começam ou termi...

Please reload

Destaques

MANIFESTO

May 7, 2020

1/10
Please reload

Categorias
Please reload

Tags
Please reload

Siga-me
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
Arquivo
Please reload

Bob Clemps

bobclemps@bobclemps.com.br

WhatsApp (11) 9.9909.3801

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

design by gustha.com