Conteúdo

Victor Hugo escreveu este poema ao seu filho antes de seu nascimento.

Desejo primeiro que você ame e que amando, também seja amado.

E que se não for, seja breve em esquecer e esquecendo, não guarde mágoa.

Desejo pois, que não seja assim mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos que mesmo maus e inconsequentes,

sejam corajosos e fiéis, e que pelo menos num deles você possa

confiar sem duvidar.

E porque a vida é assim, desejo ainda que você tenha inimigos,

nem muitos nem poucos, mas na medida exata para que, algumas vezes,

você se interpele a respeito de suas próprias certezas.

E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo, 

para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo depois que você seja útil, mas não insubstituível.

E que nos maus momentos, quando não restar mais nada,

essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.

Desejo ainda que você seja tolerante; não com os que erram pouco,

porque isso é fácil, mas com que erram muito e irremediavelmente,

e que...

20/12/2017

Há um tempo em que é preciso

abandonar as roupas usadas

que já têm a forma do nosso corpo

e esquecer os nossos caminhos que

nos levam sempre aos mesmos lugares...

É o tempo de travessia e, se não

ousarmos fazê-la, teremos ficado para

sempre à margem de nós mesmos.

13/12/2017

“Para ser exato, o ser humano não vem dos pais, mas por intermédio deles. A vida vem de bem longe e nós não sabemos que origem é essa”.

Bert Hellinger

Somos de muitas partes deste mundo mais do que imaginamos.

A vida chega através dos pais, mas a história vem de toda nossa ancestralidade. Se contarmos 25 gerações anteriores a nossa, são 33.554.432 milhões de pessoas que vieram antes de nós para que estejamos aqui e agora. Se um deles não tivessem se encontrado você não estaria lendo este artigo. Somos a somatória de todas essas histórias.

Imagine como eles viveram!

Épocas bem diferentes das atuais, sistema de valores mais rígidos, culturas mais arraigadas, talvez mais religiosos, enfim, uma multiplicidade de culturas, valores, dores, alegrias estão registrados em nosso DNA.

Quando ocupamos o nosso lugar no sistema familiar, dizendo sim para tudo que foi como foi e um sim para tudo que é como é, estamos dizendo um grande SIM à VIDA!!! E a ancestralidade poderá dizer: Não foi em vão viver tudo...

06/12/2017

Um poema visual de enorme beleza, uma obra de arte de Nacer Khemir, Baba Aziz encerra a trilogia do deserto. O filme inicia-se com a estória de um dervixe chamado Baba Aziz e sua neta espiritual, Ishtar. Juntos, percorrem o deserto atrás de uma grande reunião de dervixes que ocorre uma vez a cada 30 anos. Tendo a fé como único guia, os dois viajam por vários dias pela imensidão. Para ajudar a suportar a viagem, Baba Aziz passa a contar estórias do príncipe do deserto que contemplava sua alma ao lado de uma pequena piscina. No decorrer da narrativa, os viajantes encontram outros que também contam suas estórias.Repleto de imagens maravilhosas e belíssima música, Nacer Khemir criou uma fábula inédita e encantadora filmada nas areias da Tunísia e do Irã. O roteiro desse filme foi escrito pelo próprio Khemir, em parceria com Tonino Guerra, autor de diversos roteiros de grande sucesso (Amarcord, Night of the Shooting Stars, Blowup, entre outros)

Please reload

Destaques

MANIFESTO

May 7, 2020

1/10
Please reload

Categorias
Please reload

Tags
Please reload

Siga-me
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
Arquivo